A CRUZ DE CRISTO


Hoje iniciamos um novo Tempo no ano litúrgico o Tempo da "Santa Cruz". A Igreja desde os primórdios do cristianismo exaltou, venerou e usou a Santa Cruz. Jesus assim ensinou os seus discípulos dizendo: "Aquele que não toma a sua cruz e me segue, não é digno de mim" (Mt 10:38), em seguida acrescentou: "Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me" (Mt 16:24). Em Lucas disse (Lc 14:27) "Quem não carrega sua cruz e me segue, não pode ser meu discípulo". O Apóstolo Paulo assim escreveu aos Gálatas: 'Quanto a mim, não pretendo, jamais, gloriar-me a não ser na Cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, por quem o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo" (GI 6:14).

Após a conversão de Constantino (+337), a Cruz deixou de ser usada para o suplício dos condenados e tornou-se símbolo da vitória de Cristo e o sinal dos cristãos. Nos séculos segundo e terceiro os Padres da Igreja como Tertuliano (+202) afirmavam que os cristãos se benziam com o sinal da Cruz. Os Mártires tomavam a Cruz antes de enfrentar a morte e os Santos não se separavam da Cruz.

Tertuliano já escrevera: "Ao iniciar uma caminhada, na saída da casa e na entrada, quando vestimos, nos lavamos, iniciamos as refeições, ao deitar, ao sentar e em todas as nossas atividades, fazíamos o sinal da Cruz".

Quando o Imperador Constantino o Grande, enfrentou o seu rival Maxêncio sobre a ponte Milvia, viu no sonho, uma cruz luminosa acompanhada dos dizeres "Por este sinal vencerás". Então Constantino colocou a sua pessoa e o seu exército sob a proteção do sinal da Cruz e venceu Maxêncio, tornando-se Imperador Supremo de Roma, proibindo em seguida a perseguição dos cristãos pelo Edito de Milão em 313.
Uma Antiga tradição conta que o Apóstolo Pedro, saindo da cidade de Roma para fugir da perseguição do Imperador Nero, viu que Jesus caminhava na direção oposta e admirado, Ihe perguntou:
"Para onde vais Senhor?". Jesus respondeu: "Vou a Roma para ser crucificado outra vez" Naquele momento Pedro entendeu que devia seguir o Senhor com coragem, carregando a sua cruz até o fim. Jesus amou Pedro e os demais até a morte na cruz e Pedro retribuiu este amor, tanto que voltou a Roma e morreu na cruz de cabisbaixo.

Jesus com a sua Cruz carregou nossos medos, nossos problemas, sofrimentos. Jesus com a Cruz se une aos inocentes e indefesos vítimas da violência. Se une as famílias que passam por dificuldade, que choram a morte de um ente querido, que passam fome. Se une as perseguições dos cristãos no Oriente em nome da religião. Na cruz de Cristo está o sofrimento, o pecado do homem.

Jesus enfim carrega nas suas costas as nossas cruzes e no diz: "Coragem! Eu venci o mundo," vocês não estão sozinhos para carregar a sua cruz eu as levo com vocês. Dai-nos Senhor esta coragem de vencer pelo poder da cruz os nossos inimigos espirituais e suas ciladas e chegar salvos por ela a glória do Reino.

Mons: Antônio Nakkoud. Pároco da Igreja Sirian Ortodoxa São Jorge de Campo Grande MS.