Sobre o Batismo


Cânones e instruções do NOMOCANON (HUDOYO)
e outros cânones eclesiásticos em uso até os nossos dias na Igreja Siríaca Ortodoxa de Antioquia (ISOA) constantes no livro do Sacramento do Batismo conforme o Antigo Rito da ISOA.

1 – O Santo Batismo é o sacramento, portal, através do qual o ser humano entra para a fé cristã, portando, deve ser ministrado com a maior reverencia e consciência dos padres e deve ser recebido com fé verdadeira pelos fiéis.

2 – O Sacramento do Batismo deve ser ministrado no batistério da Igreja exceto em caso de necessidade em virtude de doença perigosa ou circunstâncias forçosas, então o batismo poderá ocorrer nas casas dos fiéis com permissão do bispo. Neste caso uma bacia larga e funda deve ser preparada para receber água a ser santificada. Esta bacia só poderá ser usada para o batismo. Este procedimento deve ser seguido também, nos países em que não temos Igrejas ou Casas de Oração.

Nota do tradutor: as casas de oração em verdade podem ser as casas dos sacerdotes ou diáconos nos países ou cidades em que não há igrejas ou ainda onde a comunidade local se reúne e ora muitas vezes até sem a presença de sacerdotes, hoje são comuns nos EUA.

3 – O bispo assim como o padre deve ministrar o sacramento do batismo completamente paramentado. O incenso deve ser oferecido de acordo com o ritual da Igreja.

4 – O batismo deve ser ministrado pela manhã após a Divina Liturgia a menos que a emergência requeira o ministério antes ou a qualquer outra hora.

5 – Para cada criança do sexo masculino deve haver um padrinho ortodoxo presente e para cada criança do sexo feminino deve haver uma madrinha ortodoxa presente.

Nota do tradutor: pelos acordos ecumênicos são aceitos padrinhos e madrinhas das quatro igrejas basilares: Antioquia, Alexandria, Roma e Constantinopla; acordos mais detalhados existem entre as chamadas Igrejas Ortodoxas Orientais que são a Siríaca Ortodoxa de Antioquia, Copta Ortodoxa de Alexandria – Egito e a Armênia Ortodoxa.

6 – Dois tipos de óleos serão utilizados no ministério do batismo. O óleo da unção – MEXHO – consagrado pelo bispo e ministrado antes da imersão. O outro óleo é o óleo da Crisma – MURON – que só é consagrado pelo patriarca, é o óleo da confirmação e é ministrado logo após o batismo.

7 – Os padrinhos antes de participar da cerimônia batismal devem com todo o respeito e pureza d´alma confessar e receber a Santa Comunhão. Eles têm também, a obrigação de orientar e instruir os seus afilhados ou afilhadas na religião cristã.

8 – O padre deve registrar o nome do novo (a) fiel já batizado(a) no Livro de Registro dos Batizados da Igreja. É adequado e recomendado que o (a) fiel batizado(a) receba um nome cristão.

9 – Quando um padre batiza crianças dos dois sexos na mesma cerimônia não é permitida a imersão simultaneamente na mesma água. Deve primeiro praticar a imersão da criança do sexo masculino só depois desta imersão deverá trocar a água e então praticar a imersão da criança do sexo feminino. No caso de batismo coletivo de crianças do mesmo sexo o padre procederá à imersão dos batizandos seqüencialmente a partir do mais velho para o menor.

10 – Se a criança ou a pessoa que pede o batismo está moribunda o padre batizará sem a imersão lançando um pouco de água sobre a testa e se possível sobre o corpo.

11 – O sacramento do batismo deve ser cumprido duas semanas após o nascimento a menos que uma emergência atrase a prática. Neste caso o batismo pode acontecer após um mês, mas não mais de dois meses preferencialmente.

12 – Um sacerdote batizará seu filho (a) só em caso de emergência ou quando não há outro padre da Igreja disponível.

13 – Se uma criança estiver moribunda, um diácono das categorias maiores (arquidiácono ou evangelista) podem batiza-la na ausência do sacerdote. Mais tarde se a criança sobreviver o sacerdote confirmá-la-á crismando-a com o óleo do crisma.

14 – Ainda numa emergência o sacerdote pode batizar mesmo depois de ter tido sua refeição. Numa emergência de vida ou morte o sacerdote deve usar a cerimônia de batismo abreviada de São Severius, Patriarca de Antioquia.

15 – Quando uma jovem ou uma senhora quer ser batizada o sacerdote deve lançar os óleos da unção e da crisma nas águas numa bacia grande e puxar uma cortina entre ele e a batizanda que veste nesta ocasião uma túnica branca. Depois confirmará a batizanda ungindo com o óleo da crisma na testa. Depois de colocar sua mão direita sobre a batizanda e batizando-a “em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” a batizanda praticará a imersão sozinha três vezes na água. Antigamente as diaconisas e as freiras ungiam as jovens e as senhoras. Atualmente é recomendada a assistência da esposa do padre na unção de jovens ou senhoras. Da mesma forma se um homem será batizado o sacerdote seguirá as mesmas instruções, mas o sacerdote praticará a cerimônia só, isto é sem a participação de diáconos, diaconisas, etc… Depois da cerimônia as túnicas brancas devem permanecer na Igreja. Quanto às Águas Sagradas devem ser lançadas num poço limpo construído para esta finalidade e caso não haja devem ser lançadas num jardim.

16 – No caso do batismo dúbio de uma pessoa, isto é não se consegue provar com um certificado o padre batizará dizendo: “fulano (a) se você não foi batizado(a) eu te batizo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”.

17 – A Igreja Siríaca Ortodoxa de Antioquia aceita o batismo dos calcedônios, isto é das Igrejas Bizantina Ortodoxas e Católica Romana. Se um fiel é batizando em algumas Igrejas Protestantes devem ser crismados, ungido com o óleo santo da crisma – Muron – pois, estas igrejas não têm o óleo da crisma.

Nota do tradutor: Com base no V Encontro dos Patriarcas das Igrejas Ortodoxas Orientais – Siríaca, Copta e Armênia não são aceitos batismos das igrejas adventistas, mórmons e testemunhas de Jeová.